Como prevenir as principais doenças comuns na terceira idade

Como prevenir as principais doenças comuns na terceira idade

Com o aumento da população de idosos crescendo no mundo, decorrente do aumento da expectativa de vida, os cuidados com a saúde e a qualidade de vida dos idosos devem ter uma atenção especial.

Sabemos que o envelhecimento pode ser um processo saudável e natural que gera alterações nas celulas e moléculas, diminuindo a capacidade funcional dos sistemas do corpo (senescência), porém, pode vir associado a patologias que geram inúmeras limitações e incapacidades funcionais (senilidade).

E quais seriam essas patologias?

Existem diversas patologias associadas ao envelhecimento (senil), segue algumas citadas abaixo:

– Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS);

A Hipertensão Arterial Sistêmica é uma patologia que atinge cerca de 50% a 70% dos idosos e é um grande fator de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, podendo gerar significativas limitações funcionais e incapacidade nessa população.

– Diabetes

O diabetes apresenta alta taxa de morbidade e mortalidade, com uma queda importante na qualidade de vida. É uma das principais causas de doença cardiovascular, assim como a HAS.

– Incontinência urinária

A incontinência urinária (IU) apresenta grande repercussão na qualidade de vida dos idosos, podendo causar constrangimento e isolamento, além de constituir uma das principais causas de institucionalização de idosos.

– Artrose

Consite em uma doença que acomete com muita frequência os idosos e pode gerar inúmeros desconfortos, limitação funcional e dor.

– Síndrome da imobilidade

Consiste em um conjunto de sinais e sintomas decorrentes da imobilidade. Essa imobilidade pode ser temporária e ocorrer devido a cirurgias e internações, ou pode ser prolongada devido a doenças neurologicas, cardiopatias, doenças reumáticas, depressão, entre outras.

Como consequência, o idoso apresenta dificuldade para realizar suas atividades de vida diária, dependendo muitas vezes de terceiros.

Em um outro artigo aqui do blog explicamos mais detalhes sobre essas patologias. (pensei em colocar aqui um link para o artigo anterior)

O que essas patologias tem em comum?

Todas elas causam um grande impacto na qualidade de vida dos idosos. No aspecto físico, essas patologias podem provocar diversas limitações funcionais no dia a dia do idoso, interferindo na sua independência. Já no aspecto psicológico, podem provocar constrangimento, depressão e isolamento.

Como podemos prevenir essas patologias?

Os maus hábitos de vida como má alimentação e sedentarismo, são importantes contribuintes para o aparecimento dessas patologias. Podem implicar diretamente na qualidade de vida dos idosos, tornando-os muitas vezes dependentes.

A adoção de hábitos de vida saudáveis é parte fundamental da prevenção e do tratamento de todas estas patologias.

A  prática frequente de atividade física está diretamente relacionada ao controle da pressão arterial, ao aumento do HDL (colesterol bom) e diminuição das taxas de colesterol ruim no sangue, problema associado ao desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Também está relacionada ao aumento da massa muscular, força muscular, flexibilidade e melhora do equilibrio e coordenação motora.

Manter uma alimentação adequada e uma pratica de atividade física regular torna-se a solução para uma qualidade de vida adequada para os idosos.


Outro problema que não é uma doença mais é muito perigoso são as “quedas

A queda é um acontecimento muito frequente na população idosa e representa um grande problema dadas as suas consequências, como por exemplo, incapacidade e até mesmo institucionalização.

Fatores de risco:

São divididos em fatores de risco intrínsecos e extrínsecos.

Fatores de risco intrínsecos:

• Distúrbio de marcha e equilíbrio;

• Alteração postural/hipotensão ortostática;

• Redução da visão;

• Sedentarismo;

• Quedas precedentes;

• Estado funcional;

• Alterações cognitivas;

• Fraqueza muscular e instabilidade articular.

Fatores de risco extrínsecos:

• Iluminação inadequada;

• Tapetes soltos;

• Superfícies escorregadias;

• Obstáculos no caminho (moveis, etc);

• Escadas com degraus altos ou estreitos;

• Ausência de corrimão e barra de apoio em corredores e banheiros;

• Piso irregular.


Como podemos evitar as quedas ?

Como forma de evitar os fatores de risco extrínsecos, podemos modificar o ambiente em que o idoso vive, com o intuito de minimizar os riscos de queda e aumentar a funcionalidade local. Portanto, aumentar a iluminação, evitar tapetes, evitar muitos móveis e objetos espalhados pelo caminho, instalar barras de apoio em corredores e banheiros, entre outros.

Para conseguirmos evitar os fatores de risco intrínsecos de quedas devemos incentivar os idosos a praticar atividades físicas, mantendo assim uma boa capacidade funcional e bom condicionamento físico, diminuindo as chances de queda.

Conclusão

A prevenção é sempre o melhor caminho. Portanto, temos que dar uma atenção especial aos nossos hábitos de vida.

Manter uma rotina de atividades físicas, bem como uma alimentação adequada, pode tornar a vida do idoso mais tranquila e com maior qualidade.

Cuide do seu corpo, cuide do seu idoso.

Se você gostou dessas informações e conhece alguém que pode se beneficiar compartilhe esse texto e marque essas pessoas nos comentários em nossas redes sociais.

Um abraço!

Dra. Leticia Dias Pinto de Oliveira – Crefito 3/259894-F
Fisioterapeuta da WP Pilates e Saúde

Deixe uma resposta