Curiosidades sobre a Diástase abdominal no puerpério

Curiosidades sobre a Diástase abdominal no puerpério

A Diástase abdominal é uma das principais preocupações das mulheres no período pós-parto. 

No decorrer deste texto vou explicar um pouco mais sobre a diástase abdominal e suas implicações.

Durante a gestação o corpo da mulher passa por diversas alterações hormonais, como por exemplo a ação da relaxina, que ocasiona uma frouxidão ligamentar em todo o corpo, porém, tem ação bastante significativa nos músculos abdominais, especialmente no reto do abdômen.  

Com o crescimento do útero, ocorre uma distensão desses músculos e ligamentos, ocasionando um afastamento entre os seus dois feixes, caracterizando assim, a diástase do músculo reto abdominal (DMRA).

Então toda gestante vai ter diástase?

A resposta é sim. 

Durante a gestação a diástase do músculo reto abdominal é fisiológica e vai acontecer, uma vez que o útero da mulher vai crescer e o abdômen vai precisar se distender para dar espaço e acomodar o bebê.

Contudo, a diástase abdominal que ocorre durante a gestação, pode ser considerada fisiológica ou patológica. E o que pode ser feito durante a gestação é um trabalho para conter a diástase, para que não ocorra um afastamento maior do que o necessário.

Diástase fisiológica ou patológica?

A diástase pode ser percebida normalmente no 3º trimestre de gestação ou no puerpério e pode ser diagnosticada através de vários métodos. 

Utilizando o método de palpação sobre a linha alba, consideramos a diástase fisiológica, ou seja, uma separação necessária para dar espaço para o bebê, um afastamento de aproximadamente dois dedos.

Já a diástase patológica é considerada quando temos um afastamento de dois dedos ou mais.

O maior ponto de afastamento geralmente acontece no umbigo, porém, pode acontecer sobre toda a extensão da linha alba.

Fatores de risco

Alguns fatores podem influenciar o aparecimento da diástase.

Mulheres com tônus muscular abdominal mais baixo apresentam maior chance de apresentar diástase. Além disso, gestações múltiplas, obesidade e a genética também influenciam no seu aparecimento.

O que a diástase pode causar?

Além da estética que deixa o abdômen “estufado”, a diástase patológica do músculo reto abdominal pode ocasionar problemas na estabilidade do tronco, na sustentação da parede abdominal, ocasionando alterações posturais e queixas musculoesqueléticas, como por exemplo a dor lombar.

Por isso, o trabalho de estabilidade do corpo e correção da postura é tão importante durante a gestação. Tem o objetivo de conter a diástase para que não se torne patológica. 

O tratamento da diástase abdominal pode ser feito independente do tempo de pós-parto e consiste na melhora da função da musculatura abdominal e do corpo como um todo.

Procure um profissional especializado para fazer uma avaliação.

Dra. Letícia Dias Pinto de Oliveira – CREFITO 3/259894-F

© 2021 Feito por Sala5 Comunicação.           Razão social: WP Fisioterapia e Saúde Ltda                                                                               CNPJ: 18.804.945/0001-21