O que o Fisioterapeuta pode fazer em relação aos traumas e lesões causados pelo Skate?

Skate

O skate é um esporte amplamente difundido no mundo nos dias de hoje, onde teve uma conquista enorme há 2 anos atrás por ter sido anunciado como uma das novas modalidades olímpica, para as olimpíadas de 2020 em Tóquio no Japão.

As raízes do skate vem do inicio da década de 60 em Los Angeles, na Califórnia, e de lá pra cá a modalidade teve um crescimento exponencial de praticantes.

O que queremos falaram aqui hoje é sobre as lesões e traumas que o skate trás para seu praticante e o que nós, como fisioterapeutas, podemos fazer dentro dessa modalidade totalmente underground e com uma cultura bem distinta das outras práticas esportivas.

Andar em uma superfície instável e que ao mesmo tempo se move sobre 4 rodinhas, lhe uma dinâmica bem complexa, onde precisará ter além de uma consciência corporal adequada diversos ajustes compensatórios e antecipatórios, para que possa se manter em cima do skate.

O Street Skate (modalidade das ruas) é mais popular e mais praticado, os atletas pulam escadas, descem deslizando em corrimãos e deslizam em bordas e afins. 

Como os saltos de skate influenciam diretamente nas dores de tornozelo?

Os exercícios de saltos (pliometria), estão o tempo sendo executado nesta modalidade, mas será que nosso atleta faz de uma forma correta? E a sua dissipação de energia como está sendo executada?

É bem comum relatos de  “quando eu aterrisso no shape em cima do skate sinto dor no tornozelo”, provavelmente neste caso a função “mola” do tornozelo não esta sendo executada para a diminuição da energia gerada do salto.

Fique atento a Amplitude de Movimento

Nesta situação devemos nos atentar em relação a ADM (Amplitude de Movimento) de tornozelo e qual estratégia ele usa para diminuir esta energia.

Pois pouca ADM em complexo articular de tornozelo, traz a função mola comprometida, logo essa carga axial advinda da pressão da gravidade mais a aceleração do movimento executada, sendo repetida várias vezes acarretará em queixas recorrentes do atleta.

Uma boa maneira de miminzar estes traumas, é executar um trabalho de controle motor adequada em relação a estrátegia que o individuo utliza para receber essa carga axial e que essa energia seja dissipada por todo segmento dos membrso inferiores.

Mobilizações de tornozelo, liberação miofascial da fascia plantar e treinos pliométricos complementariam a ideia da melhora da mecânica, condição muscular e também da condição tecidual das regiões citadas (tendões, capsula articular e ligamentos).

Dr. Neto Ribeiro – Crefito3\ 257794-F
Fisioterapeuta e instrutor de Pilates na WP Pilates & Fisioterapia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Chamar no WhatsApp