Mobilidade Articular X Lutadores de MMA

Mobilidade Articular X Lutadores de MMA

A dica de hoje é relacionada a mobilidade articular em atletas de MMA, principalmente atletas oriundos da área da “trocação” ou “striking” (que envolvem as modalidades de lutas que utilizam socos, chutes, cotoveladas e joelhadas – lutadores de muay thai, boxe, taekwondo, karatê e etc…)

 

Você sabe a importância de uma mobilidade articular adequada para a prática do MMA e também para qualquer que seja a modalidade esportiva?

 

A mobilidade articular é essencial para o bom funcionamento de qualquer segmento articular, sendo ele joelho, tornozelo, ombro e etc… Nas articulações aonde há capsúla articular (articulações sinovais), essa boa mobilidade e constância dos movimentos, faz que ocorra produção de liquído sinovial (líquido esse que nutri e lubrifica as articulações), mantendo adequado o estado no local. Outro beneficio é a diminuição da tensão muscular (espasmo musculares), os músculos que estão envolvidos nas  articulações sem mobilidade, tendem ter aumento em suas tensões, enfraquecimento e encurtamentos também.

 

Articulações com pouca mobilidade acabam gerando algumas complicações em segmentos articulares acima e abaixo da mesma.

 

Tendo exemplo o quadril (segmento articular que nos da mobilidade), se este segmento possui uma hipomobilidade (falta de mobilidade/ou mobilidade reduzida), as articulações afetadas serão joelhos e a coluna lombar, ambos segmentos articulares que nos geram estabilidade. Toda a mobilidade que o quadril deveria trazer, é transferida para articulações que fazem papel de estabilizadores, se o mesmo tem sua função modificada as chances de ocorrer lesões no local irão aumentar bastante.

Porque esses atletas podem ter complexos articulares com mobilidade reduzida e como podemos trabalhar a melhora de tal?

 

Vou citar alguns segmentos articulares que geralmente possuem mobilidade reduzida nos praticantes de MMA. Por uma questão de proteção, pelo fato das trocas de socos, os ombros protusos e a hipercifose torácia são bem evidentes. Os tornozelos com dorsiflexão prejudicada por conta da execução de golpes sempre em flexão plantar , que também é mantida pela movimentação específica da modalidade, o quadril possui também déficit de mobilidade por muitas repetições de chutes altos, tendo um aumento deste déficit quando não há um bom equilbrio com grupos musculares antagonistas (músculos extensores).

 

As tais complicações citadas assim em um atleta de MMA (Artes Marciais Mistas), que praticamente é um “tri-atleta” das lutas, onde ele precisa socar, chutar, quedar, agachar e levantar tudo em um mesmo momento, a manutenção dessa mobilidade adequada é suma importância para diminuição dos riscos de lesões.

 

Dentro do método Pilates, trabalhamos essa mobilidade, através de diversos exercícios, como os alongamentos, fortalecimento da musculatura efetora e manutenção dos alinhamentos neutros, pois o conceito do pilates é trabalhar o corpo de forma global, mantendo boa postura, força muscular adequada, flexibilidade e funcionalidade. A melhora da flexibilidade das fibras musculares através dos alongamentos é um fator essencial para ganho da amplitude de movimento, para diminuição de tensões e também ganho de força, nesta articulação que por hora tem uma amplitude reduzida. Uma vez que agora o segmento está em posição neutra e com sua amplitude dentro do adequado não haverá compensações ou aumento de tensões.

 

Então mantendo boa mobilidade nas articulações, juntamente com treinos específicos da modalidade e o método Pilates inserido de uma forma bem ativa, traremos bons benefícios para a melhora da performance do atleta e também prevenindo futuras lesões advindas destes segmentos que antes estavam com déficit de movimento.

 

Se você gostou dessas informações e conhece alguém que pode se beneficiar compartilhe esse texto e marque essas pessoas nos comentários em nossas redes sociais.

Neto Ribeiro

WP Pilates e Fisioterapia

 

 

Deixe uma resposta