Saiba tudo sobre lesões no tornozelo

Saiba tudo sobre lesões no tornozelo

Hoje selecionamos o tema de “lesões no tornozelo” por ser um problema muito frequente que tratamos em nossa clínica de fisioterapia e Pilates (unidade de Pinheiros e Itaim Bibi) e ainda acomete públicos diversos como atletas, gestantes, idosos, adultos, entre outros.
Então aproveite o conteúdo que segue abaixo dividido por tópicos para facilitar o entendimento.

Articulação do Tornozelo: conceito anatômico

Para entendermos melhor como ocorrem as lesões na articulação do tornozelo, é de suma importância conhecer em seu funcionamento normal.

O tornozelo é a conexão entre a parte inferior da perna com o pé, ele possui duas articulações:

  • Articulação tibio társica (parte superior);
  • Articulação talotarsal (parte inferior).

Nessa articulação ocorrem os movimentos como dorsiflexão (ponta do pé para cima), flexão plantar (ponta do pé para baixo) e poucos graus de movimento pronação (ponta do pé vira para dentro) e supinação (ponta do pé vira para fora).

Articulação Tibio társica: É uma articulação que age como dobradiça, e sua função é permitir a flexão plantar e a dorsilfexão. É composto por 3 ossos: Talo, tíbia e a fíbula.

A fíbula e a tíbia permitem que as articulações deslizem uma sobre a outra, assim sua superfície cartilaginosa se move livremente.

Articulação talotarsal: É composta pelo calcâneo (osso do calcanhar), talo (osso do tornozelo) e o osso navicular.

Funções: Essa articulação permite quatro movimentos: pronação e supinação do pé, dorsiflexão e flexão plantar.

Ligamentos: Tem como função de limitar os movimentos excessivos para evitar lesões como luxações e entorses, proporcionando uma ligeira flexibilidade lateral, auxiliando o corpo a andar sobre superfícies irregulares, mantendo seu equilíbrio. Possuimos os ligamentos talofibulares anterior e posterior (frente e atrás), deltóide (medial – parte de dentro) e o fibular (lateral). Esse ligamento possui um papel importante, pois restringe a supinação excessiva do pé (quando vira para fora), um trauma nessa região pode resultar em uma distensão até uma ruptura completa.


Lesões de tornozelo

A entorse de tornozelo é uma das lesões que mais ocorrem na população. Através de um movimento brusco, pode estar associado a um estiramento ou até a uma ruptura de ligamentos que sustentam essa articulação. Ocorre com maior frequência nos ligamentos colaterais laterais e em maior frequência em atletas de futebol, vôlei e basquete. Essa entorse pode evoluir se não tratada adequadamente com complicações, gerando limitações funcionais no dia a dia.

A estabilidade (sustentação) do tornozelo ocorre por um mecanismo contensor de 3 ligamentos: talo-fibulares anterior, posterior e talo-calcâneo. O mecanismo mais comum de lesão é a inversão do pé associado a flexão plantar (quando o pé vira para fora), isso ocorre normalmente por causa de terrenos irregulares ou até descendo degrau. A lesão se inicia através do estiramento ao rompimento do ligamento talo-fibular anterior podendo progredir se o trauma for maior, para o calcâneo-fibular (posterior), que é bem rara.

Graus de lesões do tornozelo

Para classificar o tipo de entorse, é necessário realizar um exame clínico da área afetada. É dividido em 3 tipos:

1- Estiramento ligamentar;

2-Lesão ligamentar parcial;

3-Lesão ligamentar total.

Sua característica clínica é de dor, com edema localizado na face anterior e lateral do tornozelo, pode gerar uma equimose (inchaço – edema) principalmente após 48 hs, dificultando a marcha do indivíduo.

Exames Complementares

Se há suspeita de lesão óssea pede-se o RX, mas normalmente para evidência de rompimento ligamentar a um estiramento, pede-se uma ressonância magnética (RM).

Tratamento de entorse de tornozelo:

O objetivo principal, é o retorno para as atividades diárias (trabalho/ esporte), com diminuição da dor, edema e a ausência total de instabilidade da articulação.

Após o trauma é de suma importância seguir o protocolo de contenção do edema, estabilização da articulação atravês de bandagem, elevação do mesmo (controle do edema) durante os 3 primeiros dias. Pode-se associar através da prescrição médica o uso de antiinflamatório para diminuir esse edema e por consequência da dor.

De acordo com o grau da lesão a manutenção da imobilização melhora os sintomas que variam de 1 a 2 semanas (lesão leve), já em lesões mais graves utiliza-se imobilizadores semi-rígidos (robofoot).

O tratamento cirúrgico só ocorre quando há rompimento total ligamentar e uma grande instabilidade associada, cada caso é observado de forma individualizada, a preferência é dada pelo tratamento conservador (não cirúgico) como a fisioterapia.

Se você gostou dessas informações e conhece alguém que pode se beneficiar compartilhe esse texto e marque essas pessoas nos comentários em nossas redes sociais.

Dra. Nadja Hollerbach Cardoso Ferreira  –  Crefito-3/121005-F

Fisioterapeuta e instrutora de Pilates na WP Pilates & Saúde



Deixe uma resposta

Fechar Menu
× Chamar no WhatsApp